Histórico


    Outros sites
     CONFABULÁRIO - UNIVERSAL MX
     JORNAIS DO BRASIL
     ninhodogaviaodaserra
     BBC NEWS
     DEUTSCHE WELLE
     FOLHA DE SÃO PAULO
     ELPAIS.ES
     IPSILON
     ELCULTURAL.ES
     CULTURE-GUARDIAN UK
     NYT - Art & Design
     LIVRARIA CULTURA
     BIOMAT.NET
     PESQUISA FAPESP
     Departamento de Física - UFCE
     ALETRÔMETRO
     LARANJA PSICODÉLICA
     DRAGÃO DO MAR - ARTE E CULTURA
     COMPANHEIRA DO TEMPO
     ACONTECIMENTOS
     DANIEL PIZA
     POEMAS DA CIDADE
     BLOGDONOBLAT
     LE FIGARO


     
    Ninho do Gavião da Serra


    O NÃO VISÍVEL

    (...) ora reparem, nós aqui vamos andando sobre a península, a península navega sobre o mar, o mar roda com a terra a que pertence, e a terra vai rodando sobre si mesma, e, enquanto roda sobre si mesma, roda também à volta do sol, e o sol também gira sobre si mesmo, e tudo isto junto vai na direcção da tal constelação, então o que eu pergunto, se não somos o extremo menor desta cadeia de movimentos dentro de movimentos, o que eu gostaria de saber é o que é que se move dentro de nós e para onde vai, não, não me refi ro a lombrigas, micróbios e bactérias, esses vivos que habitam em nós, falo doutra coisa, duma coisa que se mova e que talvez nos mova, como se movem e nos movem constelação, galáxia, sistema solar, sol, terra, mar, península. (...) Com o homem começa o que não é visível, foi a resposta surpreendida de José Anaiço, que a deu sem pensar. (...) Maria Guavaira, por se a menos instruída, foi a primeira a falar. Ao não visível daríamos o nome de Deus, mas é curioso como se introduziu na frase um certo tom interrogativo. Ou vontade, a proposta veio de Joaquim Sassa. Ou inteligência, acrescentou Joana Carda, Ou história, e este remate foi de José Anaiço. Pedro Orce não tinha qualquer sugestão a fazer, limitara-se a perguntar, quem julgue que isso é o mais fácil está muito enganado, não tem conta o número de respostas que só está à espera das perguntas

     

     

    (de José Saramago, em A jangada de pedra)



    Escrito por Júlio Cesar Góes às 21h20
    [] [envie esta mensagem] []



    UMA ESPÉCIE DE CANÇÃO

    Saxifraga caesia


    Que a cobra fique à espera sob

    suas ervas daninhas

    e que a escrita se faça

    de palavras, lentas e prontas, rápidas

    no ataque, quietas na tocaia,

    sem jamais dormir.


    - pela metáfora reconciliar

    as pessoas e as pedras.

    Compor (Idéias

    só nas coisas) Inventar!

    Saxífraga é a minha flor que fende

    as rochas.


    (de William Carlos Williams, tradução:  José Paulo Paes) 



    Escrito por Júlio Cesar Góes às 15h43
    [] [envie esta mensagem] []




    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]